Trabalhe com a economia a seu favor!



A economia brasileira vive um período de instabilidade e um aumento no valor de seus produtos. Os varejistas estão sofrendo cada vez mais, e muito em prol da falta de um planejamento estratégico voltado à atual condição econômica do país.

 

A crise existente tem pressionado as vendas tanto da indústria, quanto do varejo, o que intensifica a busca por resultados e a dinâmica de conflito entre a cadeia de fornecedor e varejista.

 

O mais comum no mercado, é escutarmos a intensa pressão da indústria para a aceitação de pedidos maximizados por parte da equipe de compra do varejo, que ao mesmo tempo pressiona a indústria para que as condições de preço sejam cada vez mais baixas, dado o resultado final em preço e a difícil venda.

 

É a volta da famosa discussão do “push” (empurrar) e “pull” (puxar) da cadeia, na contramão das cadeias colaborativas que vem sendo debatidas internacionalmente, com a criação de modelos de negócios de cadeia integrada, o dito “ecossistema”.

 

Do ponto de vista do varejista, quando se faz uma compra com o fornecedor e se avalia o fluxo de venda, muitas vezes não é viável comprar apenas a demanda solicitada. Outras vezes, é viável comprar apenas uma parte dela. Existem produtos que aumentam seu valor em determinada época do ano, os ditos produtos sazonais; outros, podem fazer sentido considerando uma compra conjunta, ou um cenário econômico em que o consumidor esteja menos receoso e suscetível a preço.

 

Conhecer a economia e a variação que seus produtos sofrem em relação a ela é essencial para um bom desempenho. Ao mapear o comportamento é possível traçar períodos em que produtos estão em melhores preços e condições. E isto não se refere somente a produtos típicos de época (peixe e chocolate na páscoa, chester no natal, entre outros), mas sim a “matérias primas”, como por exemplo, o período em qual a proteína é mais barata, a soja, o milho, entre outros.

 

Em outras palavras, deve-se conhecer o mercado, avaliar as condições, o histórico de demanda, o perfil do cliente. Estar preparado para quando o produto tiver uma queda em seu valor e ter um correto planejamento de demanda e estoque, com entendimento dos aspectos financeiros envolvidos. Estas são as chaves para o controle e sucesso. Não compre apenas para suprir a demanda, se antecipe a ela e faça investimentos certeiros e econômicos.

 

Arnaldo Mello, CEO do Tabula

Patricia Cotti, Coordenadora da Academia de Varejo e Diretora Vogal do IBEVAR

 

Pensando no seu aprofundamento sobre o assunto, confira alguns cursos no macrotema de Varejo e Consumo.


Comentários

Sem Comentários